Tradutor da Bíblia é torturado antes de morrer a tiros na Indonésia, Por Folha Gospel – 06/11/2020

Um pastor cristão e tradutor da Bíblia assassinado na região mais oriental da Indonésia, em Papua, também foi torturado pelo oficial militar que o matou a tiros, conforme revelou um novo relatório investigativo. As informações são da CNN Indonésia.

Na última segunda-feira (2), a comissão de direitos humanos da Indonésia (Komnas HAM) disse que uma equipe de investigação acreditava que, no final de setembro, os militares torturaram Yeremia Zanambani, o pastor da Igreja do Tabernáculo do Evangelho da Indonésia (GKII), tentando obter informações sobre armas roubadas de militares roubados, informou a CNN Indonésia.

O pastor de 67 anos, conhecido por traduzir a Bíblia para o dialeto moni de Papua, foi mais tarde encontrado por sua esposa, deitado de bruços em um cercado para porcos, com ferimentos a bala e seu braço esquerdo quase decepado.

O relatório descreveu o assassinato em 19 de setembro como “extrajudicial” e revelou que ferimentos causados ​​por uma arma pontiaguda também foram encontrados no pastor falecido.

“[As descobertas] são baseadas no relato da vítima, dado a pelo menos duas testemunhas antes de morrer, de que viu o soldado na cena do crime junto com três ou quatro outros soldados”, disse Mohammad Choirul Anam, comissário da Komnas HAM, de acordo com UCA News.

“A morte do reverendo Yeremia Zanambani foi causada por uma série de atos que levaram a um assassinato extrajudicial”, disse Anam, acrescentando que o pastor morreu devido à perda de sangue.

O incidente ocorreu em meio à crescente tensão entre militares e grupos separatistas em Papua, a província mais pobre do país. A região tem sido atormentada por distúrbios desde a aprovação de um referendo apoiado pelas Nações Unidas em 1969, denominado Ato de Livre Escolha, que formalizou o controle da Indonésia sobre a ex-colônia holandesa.

Na época, os militares indonésios e os separatistas da Papua culpavam uns aos outros pela morte de Zanambani, que ocorreu logo após o assassinato de um soldado na área.

Reação

O assassinato do pastor Zanambani gerou indignação entre os cristãos locais, com a Comunhão de Igrejas da Indonésia pedindo ao presidente do país, Joko Widodo, uma investigação completa sobre o caso.

No relatório divulgado na segunda-feira, a comissão de direitos humanos da Indonésia disse ter recomendado a Widodo e ao ministro da segurança que, além de encontrar os responsáveis ​​pela morte do pastor, as testemunhas deveriam ser protegidas. O órgão também enfatizou que esforços devem ser feitos para garantir uma abordagem menos orientada para a segurança no policiamento da área.

“Civis se tornam vítimas após serem suspeitos de ingressar em grupos separatistas pelo TNI (Exército Indonésio) ou pela polícia”, disse Beka Ulung Hapsara, comissária da Komnas HAM, à Reuters.

O porta-voz militar, coronel Gusti Nyoman Suriastawa, também disse que uma investigação está em andamento e que punirá qualquer policial se for considerado culpado.

O Rev. Jacklevyn Frits Manuputty, secretário-geral da Comunhão das Igrejas na Indonésia, disse ao UCA News que as conclusões da comissão de direitos humanos da Indonésia apoiam a linha de investigação da equipe de apuração de fatos.

“Devemos continuar a pressionar o governo para resolver este caso, pois pode abrir caminho para outras investigações em casos não resolvidos na região. É uma chance para o governo reconquistar a confiança do povo da Papua ”, disse ele.

De acordo com o Asia News, a morte do pastor Zanambani fez com que cerca de 1.100 residentes de Hitadipa fugissem para as florestas.

Mais de 80% da população de Papua se identifica como cristã, contrastando com a Indonésia predominantemente muçulmana. A Missão Portas Abertas (EUA) classifica a Indonésia entre os 50 países onde é mais difícil ser cristão.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post

Os comentários estão desativados.